"; PlayWin.document.write(winContent); PlayWin.document.close(); // "Finalizes" new window // UniqueID = UniqueID + 1 // newWinOffset = newWinOffset + 20 // subsequent pop-ups will be this many pixels lower }

sexta-feira, abril 29, 2005

Recordando Albano Neves e Sousa (3 de 7)

quinta-feira, abril 28, 2005

Recordando Albano Neves e Sousa (2 de 7)


Albano Neves e Sousa - Rapariga Angolana

quarta-feira, abril 27, 2005

Recordando Albano Neves e Sousa (1 de 7)


Recordando Albano Neves e Sousa através de uma figura etnográfica Angolana publicada num calendário da década de 50.

sexta-feira, abril 22, 2005

O fogo e a impureza

Parte da água já se encontra a uma temperatura superior à temperatura de ebulição. A formação das bolhas de vapor já devería ter começado, mas tal não acontece a menos que apareçam núcleos que tornem isso possível. Se, nesta situação, alguém introduzir na água uma impureza, a primeira bolha forma-se, a pressão no seu interior será demasiado grande e a bolha expandir-se-á rapidamente, provocando a expulsão de toda a água líquida do recipiente.

Este fenómeno é conhecido pelos cozinheiros - que tomam as devidas cautelas para o evitar. Mas também faz parte da matéria de Física do Ensino obrigatório. Qualquer cidadão com a escolaridade mínima tem o dever de o conhecer.

Mas vamos ao que interessa, apropriado à data que se aproxima.
Portugal 1928-1974: Estado Novo. Liberdade de formação de partidos: suspensa. Eleições democráticas: suspensas. Liberdade de Imprensa: suspensa. Criados corpos de polícia à margem da Lei; tribunais especiais às ordens do Governo. Oposição empurrada para fora do país ou para a clandestinidade. Os indicadores sociais colocam Portugal na cauda da Europa, a começar pelo mais confrangedor, o nível de alfabetização. Passam-se os anos de Guerra, não há solução política à vista.

O Partido Comunista Português prossegue incansável a sua luta pelas eleições livres e democráticas; pela dissolução da Assembeia Nacional e eleição de uma Assembelia Constituinte; pela plena liberdade de expressão; pela reforma do ensino; pela reforma agrária; pelo fim da guerra colonial; pelo serviço de saúde para todos. Está tudo escrito no programa, e foi difundido em sucessivas campanhas, muitas vezes à custa da prisão dos seus promotores.

Ao longo de todos estes anos a iniciativa política foi gradualmente retirada ao Governo. Os principais órgãos de soberania caíram num descrédito profundo, incluindo o Governo e a Assembeia Nacional, para já não falar no Presidente da República. Enquanto os portugueses vão sonhando com uma vida mais livre, o Governo, pela sua própria inépcia, vai-se tornando cada vez mais merecedor da chacota geral.

No início de 1974 a agitação social atinge o rubro; os movimentos grevistas sucedem-se uns aos outros; antigos apoiantes do Governo passam-se de armas e bagagens para o lado da Oposição. Isto acontece repetidas vezes. O Governo tenta reagir, mas está paralisado de medo. E permanece nesta situação demasiado tempo.

Neste ambiente sobre-aquecido só faltava o grão de impureza. Veio na forma de uma medida de abertura de carreira militar para milicianos. Depois, foi tudo muito rápido. Que ainda haja quem continue preso à idéia que a impureza é responsável pelo "bumping" - é bastante extraordinário.

A origem do apelido Ferrão

Segundo o Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa de José Pedro Machado, a origem do nome Ferrão é discutível, mas o mais provável é que venha do nome Ferran em catalão que equivale a Fernando através de Ferrando. Em Portugal, Ferrão só é usado como nome de família.

Em 1258 Ferrão era escrito como Ferrom e em 1460 como Ferrãão.

domingo, abril 17, 2005

Judiciária e tribunais à deriva

Quinze mil páginas e duzentos arguidos dão a dimensão anunciada para o processo relacionado com o Futebol. Admitindo que o escrevinhador de tamanho dislate é altamente produtivo, capaz de completar em letra de forma 50 páginas por dia, e que faz isso pelo módico salário de mil euros por mês, ainda assim foi capaz de criar um buraco nas esgotadas finanças públicas 13600 euros. Se porventura o seu trabalho não foi isolado, mas envolveu pesquisas efectuadas por outros inspectores, com utilização de meios de transportes, estadias fora da área de residência etc, poderíamos cautelosamente multiplicar esta verba por dez. Mas isto para quê? Para desempenhar um papel suplectivo da Comissão Disciplinar da Federação Portuguesa de Futebol. Nunca tinha visto tamanho desvirtuamento da missão dos magistrados, feito e propalado às escâncaras, sem o mínimo senso de vergonha na cara, em clara posição de desafio a toda a classe política. Mas principalmente, rindo-se de todos nós, contribuintes de um Estado renitente em velar pelos interesses gerais, mas demasiado atento aos lobbies.
De agora em diante, por cada dia que passa e estes funcionários não sejam despedidos por justa causa, ou - pior do que isso - a concentração de recursos nesta área tome conta de mais magistrados e juízes, passamos e merecer colectivamente o epíteto de broncos, podemos começar a substituir os símbolos nacionais, retirar Portugal do mapa o substituir por Futobolândia, mandar a União Europeia às urtigas e substituí-la pela UEFA, sujeitar as leis da Assembleia da República à apreciação da Comissão de Arbitragem da FPF, avalizar a correcção dos actos eleitorias nacionais aos critérios das SAD's, etc, etc, etc...
Há porém outro caminho. Deixar os assuntos corporativos à responsabilidade das corporações. Se dentro delas se virem a instalar processos irregulares, serão elas as únicas sacrificadas. Esta é, porventura, a razão porque a participação do público nos estádios se tem mostrado em declínio, o que não acontece em todos os países. E canalizar os recursos da Administração Pública para as questões que ultrapassem todas as corporações. Da legitimidade dos interesses particulares não se infere necessariamente a subordinação do interesse geral aos interesses particulares. E se há políticos que teimam em subordinar sistematicamente a sua acção aos interesses dos lobies, deveríam, francamente, abster-se de promover-se em eleições que são para todos, e retirar a representatividade dos seus mandatos a partir do restrito âmbito social em que pensam desenvolver essas acções.

sexta-feira, abril 15, 2005

Lista de nomes próprios


Se estiver à procura de um nome para um recém-nascido ou simplesmente quiser conhecer os nomes próprios usados em Portugal pode usar o Ferrao.org - Onomástica Portuguesa.
Se tiver dúvidas ou sugestões deixe-nos um comentário.

quinta-feira, abril 14, 2005

O Presente e o Futuro

Em honra de uma flor que desabrocha, que ganha alma e começa a movimentar-se ao sabor da brisa da vida.
Parabéns, Pati, pelo teu sucesso.
Um beijo.


O Génesis e as vacas

... " Logo no começo do Génesis, está escrito que Deus criou o Homem para que ele reinasse sobre os pássaros, os peixes e o gado. É claro que o Génesis é obra do homem e não do cavalo.

Ninguém pode ter a certeza absoluta que Deus realmente queria que o homem reinasse sobre todas as outras criaturas. O mais provável é que o homem tenha inventado Deus para santificar o seu poder sobre a vaca e o cavalo, poder esse que ele usurpara. Sim, porque, na verdade, o direito de matar um veado ou uma vaca é a única coisa que a humanidade, no seu conjunto, nunca contestou, mesmo durante as guerras mais sangrentas.

É um direito que só nos parece natural porque quem está no topo da hierarquia somos nós.

Bastava que entrasse mais outro parceiro no jogo, por exemplo um visitante vindo de outro planeta cujo Deus tivesse dito «Tu reinarás sobre as criaturas de todas as outras estrelas » , para que toda a evidência do Génesis ficasse logo posta em questão.

Talvez depois de um marciano o ter atrelado a uma charrua ou enquanto estivesse a assar no espeto um habitante da Via Láctea, o homem se lembrasse das costeletas de vitela que costumava comer e apresentasse ( tarde demais ) as suas desculpas à vaca ... "


Excerto de " A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER " de Milan Kundera.

É um prazer imenso ler ou ouvir pessoas que se expressam com a objectividade que emana desta pouca prosa desmistificando ideias consideradas verdades que apenas servem para adormecer os espíritos com o intuito escondido de controlar as pessoas, elas também reunidas em rebanhos, não de cabras ou ovelhas, mas das próprias pessoas.
Na minha opinião, a não perder esta prosa...

terça-feira, abril 05, 2005

Onomástica Portuguesa

Andava eu à procura de um nome para a próxima filha quando encontrei no vocabulário antroponímico do dicionário Universal da Língua Portuguesa o nome Lira. Achei que tinha uma sonorida engraçada, era um nome assumidamente feminino assim como o instrumento e até encontrei uma pintura na internet de uma mulher Lira:


Gostei do nome e decidi ver se teria alguma dificuldade em usar este nome uma vez que ele é bastante raro.

Como indica o portal do cidadão nas regras para a atribuição do nome a um recém nascido:
  • os nomes próprios "devem ser portugueses e admitidos pela onomástica portuguesa (catálogo de nomes próprios) ou adaptados gráfica e foneticamente à língua Portuguesa e não devem suscitar dúvidas acerca do sexo".
A orientação pareceu-me clara e correcta. Decidi então procurar a onomástica portuguesa, mas só consegui encontrar uma lista incompleta de vocábulos admitidos e não admitidos resultantes de despachos a consultas formuladas ao Director-Geral dos Registos e do Notariado.

Fiquei desapontado por não encontrar Lira nos vocábulos admitidos e por encontrar o mesmo nome na lista de vocábulos não admitidos, mas mais do que isso, fiquei com algumas dúvidas sobre estas duas listas e decidi fazer uma pequena investigação sobre o tema que resultou nos seguintes documentos:
  • Um artigo de Ivo Castro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em que diz que "não existe um repertório completo do nome português" e que "a atribuição do nome próprio aos cidadãos portugueses, fortemente enquadrada por disposições legais que, na sua redacção vigente, não são completamente satisfatórias e poderiam conduzir a situações aberrantes se não fossem, digamos assim, acolchoadas pelo modo como são postas em aplicação";
  • Uma decisão do tribunal de Évora que se refere à lista dos registos como "...a pretexto da defesa incondicional de uma lista pretensamente taxativa de nomes da onomástica";
  • Uma decisão do supremo tribunal de justiça que mostra que para conseguir colocar o nome "Júnior" como segundo nome foi necessário chegar ao supremo tribunal e demorou 5 anos;
  • Um blog que diz "Quem decide como a criança se deve chamar não são vocês, são outros. E esses outros, mais concretamente os funcionários da Conservatória do Registo Civil, são por vezes permissivos e por outras tiranos";
Depois de uma pequena troca de emails com Ivo Castro também fiquei a saber que:
  • "... o problema é que LIRA, não é nome de mulher. É substantivo comum designando um objecto musical, é nome de terra e é nome de família. Mas não é conhecido nenhum caso (se o há em Portugal, não está à vista) em que seja nome próprio absoluto, isto é, primeiro nome próprio. A rigidez em aceitar quebras a esta situação tradicional é maior em relação ao primeiro nome próprio e menor em relação ao segundo (nome) ..."
Achei bastante artificial a forma como é controlada a atribuição do nome a um recém nascido, mas acabei por desistir do nome Lira para evitar envolver-me num processo burocrático. Neste momento estou à espera do dicionário onomatológico de José Pedro Machado que parece ser a obra de referência para a onomástica portuguesa.

segunda-feira, abril 04, 2005

1905 - Einstein - há 100 anos atrás...

Ciência e Tecnologia
ALBERT EINSTEIN formula a Teoria da Relatividade Restrita.
Prémio Nobel da Medicina e Fisiologia para R. Koch (Alemanha)
Fundação da Austin Motor Company.
Serviço regular de ónibus motorizados em Londres e abertura de estações do metropolitano londrino.
Utilizados, pela 1ª vez, anúncios em néon.

Política, Economia, Direito e Educação
Lenine - "Duas Tácticas".
Fundação, em Roma, do Instituto Agrícola Internacional.
Fundada, em Londres, a Associação automobilística.
Fundado, em Nova Iorque, o Rotary Internacional.
São aprovados os estatutos do Centro Académico da Democracia Cristã (CADC em Coimbra).

Filosofia e Religião
S. Freud - A Teoria da sexualidade.
G.Santayana - Vida e Razão.
Wilhem Dilthey - a Experiência e a Poesia.

Pintura e Arquitectura
Cézanne - As banhistas.
Matisse - A alegria de viver.
Picasso - Rapaz com Cabeção, a Mulher com Leque e A Família do Arlequim.
H. Rousseau - O Leão Esfomeado
António Gaudí - Casa Milà, em Barcelona.

Música
Debussy - O Mar.
Delius - Uma Missa da Vida.
Lehár - A Viuva Alegre (opereta).
R. Strauss - Salomé (ópera).
A. Schweitzer, J.S. Bach - O Poeta músico.

Literatura
Eça de Queirós - Cartas de Inglaterra e Ecos de Paris.
Edgar wallace - Os quatro Homens Justos.
A. Conan doyle - A Volta de Sherlock Holmes.
Wenceslau de Moraes - Os Serões no Japão.
Óscar Wilde - De Profundis.
M. Teixeira Gomes - Sabina Freire.

.......................................................................
Este um panorama muito sucinto da época mas que nos ajuda a situar o pensamento, as conquistas tecnológicas do início do sec. xx e perceber porque é que um homem tão sagaz, intuitivo e inteligente como Einstein disse um dia que a "minha mulher trata-me como a um móvel lá de casa pois anda sempre a escovar-me o fato do mesmo modo que lhes limpa o pó..."
Isto mais palavra menos palavra... Gostava que ele estivesse aqui hoje e eu tentaria ir tomar um café com ele ( se me atendesse, claro!) para lhe colocar algumas questões que nunca lhe devem ter sido colocadas...
........................................................................
A consultar, para quem quiser:
........................................................................

sexta-feira, abril 01, 2005

PARABÉNS à nossa menina


No dia 2 de Abril de 2001, já neste século, pelas 5 da matina, Márcia, estávamos muitos, nem queiras saber quantos, à tua espera. Todos trabalhavam de manhã, lembro-me de ir com a cabeça a estalar para o meu sítio, mas feliz, muito feliz por teres chegado. Quando te vi olhaste-me fixamente, com os olhos bem abertos... ( e eu sei que os bebés não vêem bem nos primeiros dias ) mas, sinceramente fiquei impressionada pelo modo como me perscrutavas...e pensei: vamos entender-nos bem... E não me enganei! É ver quem consegue convencer a outra que tem razão... O teu pai parecia uma criança e a tua mãe toda ela era ternura. Muito vermelha, assim te apresentaste...
Estamos muito contentes por estares connosco e desejo, sinceramente, que não faltem oportunidades para crescermos juntas...
Já deste 4 voltas ao Sol...
Que dês muitas mais sem desperdiçares o tempo que nos vai escorregando pelas mãos.

Todo o meu amor para ti.


hits: