"; PlayWin.document.write(winContent); PlayWin.document.close(); // "Finalizes" new window // UniqueID = UniqueID + 1 // newWinOffset = newWinOffset + 20 // subsequent pop-ups will be this many pixels lower }

quinta-feira, novembro 24, 2005

Owning ideas

"This is madness. Ideas aren't things. They're much more valuable than that. Intellectual property - treating some ideas as if they were in some circumstances things that can be owned and traded - is itself no more than an idea that can be copied, modified and improved. It is this process of freely copying them and changing them that has given us the world of material abundance in which we live. If our ideas of intellectual property are wrong, we must change them, improve them and return them to their original purpose. When intellectual property rules diminish the supply of new ideas, they steal from all of us."

Andrew Brown
Saturday November 19, 2005
The Guardian

quarta-feira, novembro 16, 2005

Eugénio Rosa e a Transferência dos Fundos de Pensões

Caro amigo:

Como os órgãos de comunicação noticiaram, e o ministro do Trabalho e da Solidariedade Social confirmou, a banca e o governo andam a negociar a transferência dos Fundos de Pensões dos bancários para a Segurança Social pública (neste momento o do BCP, mas depois naturalmente seguir-se-ão outros).

Este é um problema importante que interessa não só aos trabalhadores bancários mas a todos os trabalhadores portugueses porque, a concretizar-se, o volume de responsabilidades que isso determinaria no futuro para a Segurança Social pública poderia por em causa a sua sustentabilidade financeira sendo motivo para a retirada de mais direitos a todos os trabalhadores abrangidos pelo Regime Geral da Segurança Social.

É preciso não esquecer que a iniciativa partiu dos banqueiros, que a banca não está interessada em filantropia nem em ajudar a Segurança Social Pública, que ela defende o controlo dos Fundos de Pensões por grupos privados, logo se está interessada em entregar os que gere à Segurança Social pública, é porque tenciona obter benefícios com isso, para assim aumentar ainda mais os elevados lucros que tem.

A experiência tem mostrado que os sucessivos governos têm sido maus negociadores quando do outro lado estão grupos económico poderosos, como é banca, não tendo defendido os interesses nacionais (ex. a situação actual na GALP que resultou da privatização desta empresa em 2000 e, da consequente, entrega de 33% do seu capital à ENI por 900 milhões de euros, pelo qual este grupo italiano já pede mais 1.800 milhões e outras coisas).

Neste estudo analiso os riscos que esta transferência comporta para os trabalhadores bancários e para a sustentabilidade financeira da Segurança Social, avançando mesmo com uma "solução técnica" para debate pelos trabalhadores.

Espero que ele possa lhe ser útil.

Agradeço que me informem se o ficheiro em boas condições

Com consideração,

Eugénio Rosa
Economista

terça-feira, novembro 15, 2005

Valsinha

(Chico Buarque / Vinícius de Morais - 1970)

Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a de um jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar
E então ela se fez bonita com há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços com há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar
E alí dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda cidade se iluminou
E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz.

quarta-feira, novembro 09, 2005

Eugénio Rosa e o Orçamento do Estado 2006

Caro(a) amigo(a)

Como é do vosso conhecimento está neste momento em debate na Assembleia da República a proposta de Lei do Orçamento para 2006 apresentada pelo governo.

Neste segundo estudo sobre o OE2006, analiso as consequências, sob o ponto de vista de perda de receita para o Estado, dos principais benefícios e privilégios fiscais actualmente em vigor, assim como as alterações previstas neles na proposta de lei.

Espero que este estudo lhe possa ser útil.


Com consideração e amizade.

Eugénio Rosa

Economista


hits: